A TI no divã.

Por anos, CIOs requisitaram um lugar na mesa do conselho e, não mais que de repente, lá estão. E agora?


Se a área de TI fosse personificada, a primeira coisa que ela faria, hoje, seria buscar um psicólogo. E, com certeza, iniciaria sua sessão com a frase: “Estou perdida!”. De fato, tenho visto muito CIO preocupado com as mudanças agressivas que estão sendo impulsionadas pelos movimentos do mercado. Os investimentos em TI estão migrando, e o olhar está pra fora da empresa. Por anos, CIOs requisitaram um lugar na mesa do conselho e, não mais que de repente, lá estão. E agora?


Nunca foi tão importante para a TI andar de mãos dadas com as áreas de negócios, como hoje. Ora! Essas áreas precisam de soluções tecnológicas para atingir seu público, conquistar e fidelizar clientes. Elas têm budget pra investir em tecnologia - de acordo com os institutos de pesquisa, dois terços do budget. Mas, fique atento: isso não quer dizer que ela precise ficar “presa” à área de TI. Se for preciso, terceirizam. E verdadeiramente o fazem. Eis aí onde se inicia a crise existencial dos CIOs.


A tecnologia atingiu potencial de desempenhar um papel transformador em todos os produtos, serviços e indústrias. Nenhum negócio passará ileso. É o que o Gartner chama de Digitalização. Daí vem o paradoxo: “Nunca estivemos tanto na moda e estamos perdidos!”.


O que parecia a hora de usufruir de todo o investimento feito para a implementação de ERPs, CRMs e BIs, aproveitando dessa estrutura para analisar as informações que vêm dessas aplicações, nos desafia novamente. O ERP é o elefante na sala e que não vai embora tão cedo, gerando gigantescas quantidades de dados e informações. O que antes era business, agora é analytics. Além de informações, precisamos adicionar inteligência! Esse é o ponto crítico que deve ser desenvolvido intencionalmente. O próprio Gartner, inclusive, já coloca essa análise no centro dos negócios.


Nesse sentido, mudanças culturais e de processos se fazem necessárias. Os modelos antigos não vão funcionar mais. Temos que abandonar velhas práticas controladoras, que nossa área mesmo criou, para equilibrar a necessidade de "boa governança". E, simultaneamente, alimentar as equipes com propósitos capazes de sentir e adaptar-se aos desafios e oportunidades de forma rápida.


A primeira mudança é uma transformação cultural das áreas de TI, que precisam deixar de lado o perfil controlador, intrínseco a essa atividade, e dar lugar à agilidade. Sai a TI processual e entra em cena uma área mais focada em fazer relacionamentos, trazer soluções e olhar pra fora das fronteiras da empresa. Costumo dizer que “a cozinha já está em ordem – a essa altura, deveria. Agora é hora de investir em transformação”. A entrega intencional e planejada de inovações agora é questão de sobrevivência!


A segunda é focar em simplicidade. O que quero dizer com isso? 2014 será um ano muito difícil quando o assunto é expansão. Os investimentos em TI já estão sendo afetados pela desaceleração da economia. Por isso, vale focar em ganho de eficiência e diferenciação. Investir no que dá mais retorno. E, como temos visto, analytics - ou inteligência? - é a bola da vez.


*Artigo de Mauro Oliveira para o portal CIO.

Crédito da imagem: Wix.

#ti #tendências #metodologias #gestão #motivação #cio #alinhamento

Posts em destaque
Posts recentes